Quarto montessoriano – Parte II

foto 1-1

Essa postagem é um complemento da Parte I, lá falo em mais detalhes o que contem cada área do quarto com uma pequena explicação. Aqui trato apenas das modificações que fizemos quando nos mudamos de casa.

O quarto, na sua primeira versão, estava um pouco improvisado porque iríamos nos mudar em breve (que claro, acabou não sendo tão breve assim). A mudança só aconteceu quando Isa tinha quase 9 meses, mas desde os 6 meses já ensaiava engatinhar e demandava um ambiente preparado para tal. Por falar nisso, Isa foi um pouco precoce no engatinhar, daí a importância de estar atento ao seu bebê para preparar o ambiente adequadamente. Nenhum bebê segue à risca todas as estimativas de marco de desenvolvimento, mas eu gosto de ter uma ideia do que vem pela frente e consulto o quadro de desenvolvimento psicomotor que tem no livro “Montessori from the Start”, que está disponível nesse link.

foto 2Espelho e barra: Quando o bebê já começa a engatinhar é legal colocar o espelho na vertical e instalar uma barra a aproximadamente 36 cm do chão. A barra servirá de apoio para que se levante e se olhe por completo no espelho. Além do reconhecimento do próprio corpo, o espelho pode compor atividades como o Tempo de Barriga para os menores (fotos na Parte I) e, para os maiores, brincadeiras com bolinhas de fita crepe (foto acima) ou balões (foto abaixo).

Acabamos nao colocando para Isa a barra, mas pretendo colocar para Vicente (que vai nascer em Fevereiro). Uma forma bacana de instalar é utilizando vara de cortina. Veja um exemplo aqui.

foto 3Tapete:  Retiramos o tapete de E.V.A para colocar um comprovadamente atóxico. Esse é o link de onde comprei (Esclarecimento), mas existem várias opções nas lojas online. A opção que faria atualmente, até mais recomendado pelo método, seria um tapete de fibra natural que é mais bonito, mais gostoso e não faz barulho ao andar sobre ele.

Retirada da Cômoda: Desde que Isa começou a ficar inquieta assim na troca de fralda, trocávamos ela na nossa cama. Depois, quando já ficava em pé com apoio, comecei a trocá-la no banheiro, mas isso será assunto de outra postagem. Como o quarto dela já tinha um armário embutido para guardar as roupas e os brinquedos fora do rodízio, tiramos a cômoda para dar lugar ao espelho vertical e ao puff do cantinho da leitura (ver mais abaixo).

foto 4Estante baixa: na Parte I já falei um pouco como essa estante pode servir de apoio para o bebê se levantar e ter acesso aos seus próprios brinquedos sem precisar de ajuda. Inúmeras vezes já acordamos de manhã cedo e quando olhávamos pela babá eletrônica Isa estava brincando sozinha antes de vir nos chamar pedindo o leite. Essa estante da foto encomendei num marceneiro porque saiu melhor e mais barato que comprar em qualquer loja, mas é bem fácil de achar pronta. Esteja atento(a) quanto a estabilidade. Os nichos facilitam o envolvimento gradativo da criança na arrumação do próprio quarto, pois fica claro que cada coisa tem o seu lugar. Claro, alguns brinquedos podem eventualmente não caber, quando acontece isso, a gente simplesmente coloca ao lado da estante. Os nichos também ajudam os pais a limitar a quantidade de brinquedos expostos e colocar em prática um esquema de rodízio. A quantidade limitada evita a superestimulação da criança, ajuda na organização e mantem o interesse por mais tempo em um brinquedo que ficou fora de circulação. Seis por vez é mais que suficiente.

foto 5Obras de arte: devem ser expostas em altura que o bebê possa observá-las sem alcança-las. Como já expliquei melhor na também na Parte I, quando da escolha dos quadros dê preferencia reprodução realistas. Comprei um porta retrato grande que já vinha com a peça de pendurar, retirei o vidro e imprimi na gráfica essas reproduções. Optei por fazer séries de movimentos artísticos. Até agora foram duas séries: Impressionismo (foto acima) e Expressionismo (foto de abertura do post). Farei depois uma postagem para compartilhar as obras que escolhi e vou atualizando conforme for mudando.

Cantinho da Leitura: O cantinho aqui em casa nada mais é que uma estante baixa e um puff. Comprei todos dois na TokStock (Esclarecimento). Existem inúmeras formas de fazer esse cantinho, pode ser com os livros no cesto, pode ser cadeira baixa ao invés de puff, pode ser almofada. Isa gosta tanto da prateleira (colocar e tirar os livros) quanto de escalar o puff. Na foto você pode ver que o puff fica bloqueando duas portas de armário, mas não tem muito problema porque são justamente onde ficam os brinquedos fora do rodízio.

foto 6 mon

Sempre vi em muitos lugares, não apenas fontes montessorianas, como era importante estimular a leitura desde sempre, mas confesso que era um pouco cética quanto ao interesse real da criança nesses primeiros anos. Me surpreendi como Isa se manifestou pelos livros depois que fizemos o cantinho da leitura. Nos primeiros dias, a gente sentava no puff, chamava ela e lia um livro. Antes de completar uma semana, bastava qualquer pessoa sentar lá pra ela levar um livro e escalar o puff sozinha esperando a leitura. Com direito a troca de livros e tudo.

Sobre os livros, o material deve ser papel cartão, fácil da criança passar as páginas sozinha. O tema deve ser real (motivos explicados na Parte I sobre as obras de arte) e não fantasioso e a quantidade também deve ser adequada. No livro Montessori from the Start as autoras dão uma referencia de não mais de 4 livros para uma criança de 2 anos. Por isso, na maioria das vezes mantenho apenas 2.

É importante separar os livros dos brinquedos e sempre que possível reforçar com a criança a noção que livro não é brinquedo, não são para serem manipulados e explorados do mesmo jeito.


3 comentários sobre “Quarto montessoriano – Parte II

  1. Oi! Antes de mais nada parabéns pelo site! Tem sido muito útil 😉 Você menciona a troca do tapete de EVA por um tapete de fibra natural. Sabe onde eu encontraria ou pode me explicar o que você quer dizer por fibra natural? Achei ótima a ideia mas não encontrei nada na internet e não sei por onde começar… Muito obrigada!

    Curtir

    • Obrigada Alice pelo elogio 🙂
      Quando falo em fibra natural seria tecidos de materiais encontrados na natureza tipo aldogão, lã, etc. Para Montessori usar materiais assim ajuda a criança a compreender o mundo. Eu optei pelo de algodão porque acho mais agradável ao toque, porém só encontrei um importado bem carinho de uma marca chamada Lorena Canals. Aproveitei uma ida de meus pais para fora e pedi para trazerem, é metade do preço vendido aqui, mas apesar de continuar salgado, achei que valeu a troca.
      Continuo na procura de produtores nacionais, sabendo de algum publicarei no blog e volto aqui pra lhe contar.
      Um abraço, Marina

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s