12 livros para ler com seu bebê

12 livros para ler com seu filho

Todos os 12 livros que recomendo aqui leio com meus filhos desde que eles tinham 3 meses até  hoje (a mais velha tem 2,5 anos). Todos atendem aos meus critérios básicos de livro para bebê:

  • Possuem páginas grossas para resistir ao manuseio do bebê e para facilitar que eles passem as páginas sozinhos;
  • Não tem elementos fantasiosos (fadas, animais falantes, casa de doce, …). A razão está aqui;
  • São bonitos, o que convida à leitura;
  • Possuem temas variados para servir de pretexto em nossas conversas.

Começarei colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo o que acho de cada um:Leia mais »

Fora das grades

motricite_libre_espace3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É favorecer o despertar da criança sem trancá-lo.

É favorecer um espaço em solo adaptado.”

Continuando nossa série com as lindas ilustrações de Bougribouillons. As anteriores você acha aqui e aqui.

Claro que o ideal é transformar toda a casa em um lugar seguro para a criança circular livremente, afinal a casa é dela também. Mas eu sei que isso não é só difícil, é quase impossível. Aqui em casa há 3 ambientes que as crianças ainda não podem circular livremente: a área de serviço (mesmo estando os produtos de limpeza em caixas), a dispensa (ainda é muito tentador ver tantos grão e potes e não mexer sem estragar) e embaixo da mesa do computador (por conta de um fio longo que ainda não resolvemos).Leia mais »

Tudo tem seu tempo.

motricite_libre_assis3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É não colocar a criança numa posição que ela não conquistou sozinha e da qual ela não pode sair sozinha.

É permitir que ela desenvolva sua autonomia assim como sua autoconfiança.”

Essa é a segunda ilustração de uma série de cinco que estou compartilhando no blog. Os desenhos são de Bougribouillons.

“A autoconfiança é um sentimento interno de poder confiar nos próprios recursos, que vem da experiência do trabalho ativo no ambiente usando o movimento livre.É a sensação de poder pessoal na solução de problemas, e esse sentimento de poder permanece em uma pessoa para sempre.No futuro, o objetivo irá mudar (de alcançar um objeto interessante, como uma bola colorida, para fazer a lição de casa, e assim por diante), mas a situação psicológica permanece a mesma;algo lhe interessa, você precisa fazer alguma coisa e está confiante de que tem a capacidade de fazê-lo. Movimentos ativos nos primeiros meses de vida proporcionam a experiência global mente-corpo da qual a autoconfiança é derivada, e com este instrumento muito valioso, é possível enfrentar os desafios da vida.”
Dr.Silvana Montanaro, formadora de professores Montessori 0-3

Motricidade livre é uma expressão cunhada pela comunidade Pikler, que tem muitos dos seus fundamentos em consonância com o método Montessori, mas existem também algumas divergências. No geral, tanto Montessori como Pikler  são contra dispositivos de confinamento para bebês (cadeira de balanço, cercadinho, etc), bem como dispositivos que pretendem “acelerar” o desenvolvimento natural da criança e ao mesmo tempo a deixam confinadas (cadeira bumbo, andadores, etc).

Um dos pontos de discordância está no “tempo de bruços” (livre tradução minha para o Tummy Time). Autoras renomadas do método Montessori (como Susan Stephenson e Paula Lillard) orientam claramente a posicionar o bebê de bruços gradativamente desde os seus primeiros dias de vida. Já a abordagem Pikler acredita que os bebês devem entrar e sair sozinhos dessa posição.

Existem bons argumentos dos dois lados, mas eu fiquei com as orientações do método Montessori, que é também a orientação da maioria dos pediatras americanos. Para mais detalhes sobre como praticar o tempo de bruços com o bebê, por favor leia este meu post. Nele também você vai encontrar os argumentos que me fizeram ir por essa linha.

Para a postura sentada é diferente, mesmo o método Montessori recomenda que a criança raramente seja posicionada assim, ela deve poder chegar nessa posição sozinha. E quando posicionada deve ser por períodos muito curtos.

Posicionar o bebê numa postura que ele ainda não está pronto para atingir pode lhe causar lesões físicas, como também minar sua auto-confiança. A criança tem um guia interno que sabe exatamente quando é o melhor momento para aprender a engatinhar, sentar, levantar e andar. Ela precisa respeitar esse guia interno e acreditar nos seus próprios esforços.