Antirracismo e crianças

Ijeoma Oulu

Ontem foi o dia da Consciência Negra e precisamos falar disso, mesmo que seja com um dia de atraso.

Há uns dois anos eu comecei a estudar mais profundamente sobre o racismo porque fui tocada por casos de racismo entre crianças de 4 e 5 anos que eu conheço. Crianças de famílias como a minha: brancos de classe média que se consideram progressistas e antirracistas.

Essas famílias, como eu, colocaram seus filhos em escolas progressistas, tinham livros com protagonistas negros, tinham bonecas negras… Obviamente essas pequenas coisas não foram suficientes para desestabilizar o racismo estrutural que envolve o cotidiano de todas as crianças.

A medida que comecei a ler mais sobre o assunto muitos conceitos do “senso comum” foram sendo desconstruídos. Um bem frequente é o de considerar o daltonismo racial das crianças brancas como algo positivo. Todas as famílias brancas que eu conheço pensam: meu filho não vê diferença, que maravilha! Só que não é bem assim, se você não começar a falar sobre raça e preconceito na perspectiva antirracista, o racismo estrutural o fará no sentido contrário. A neutralidade não existe. Sinto informar. Além disso, o daltonismo racial é só mais um privilégio branco que precisa ser entendido dessa forma. Pare para pensar: as crianças negras são confrontadas com as diferenças a todo momento desde muito cedo.

Infelizmente a quase totalidade das escolas não estão preparadas para ajudar as famílias a tratarem do assunto. Mesmo as escolas mais progressistas (com donxs brancxs) ainda abafam os casos de racismo. Não aproveitam essa oportunidade para discutir com toda a comunidade escolar. Chamam a família da criança envolvida no ato de racismo para informar o acontecido e a família sempre vai se eximir dizendo “lá em casa a gente não fala essas coisas”. Chamar uma família para apontar um ato de racismo praticado por uma criança não vai fazer cosquinhas no racismo estrutural. Talvez chamar toda a comunidade para discutir raça, racismo, privilégio, branquitude comece a mexer algo. Se é isso que queremos temos que cobrar das escolas. Nos posicionar.

DiAngeloDa nossa parte, mães e pais, precisamos refletir sobre nosso antirracismo e viver o antirracismo antes (ou ao mesmo tempo) que falamos dele com as crianças. Você gostaria que a escola do seu filho fosse mais diversa, mas você tem frequentado lugares com diversidade racial nos seus momentos de lazer? Tem buscado intencionalmente isso? Você tem lido autoras e autores negros? Tem buscado comprar produtos e serviços feitos por empresas cujxs donxs são negrxs?Tem lido sobre racismo e branquitude? Você sabe o que é o termo “fragilidade branca”?

Não quero parecer que estou no papel da pessoa que já tá com tudo resolvido apontando o dedo para os outros. Minha intenção é falar do assunto porque quanto mais a gente tira um tema do seu esconderijo mais a gente avança. Quero refletir e agir juntamente com vocês. Quero dizer que não falar disso é favorecer o racismo. Quero dizer que racismo é problema de branco.

8 de Março de 2019

Citação Maria Montesori

Hoje compartilho uma foto e uma citação de Maria Montessori pouco conhecidas. Montessori foi uma militante do feminismo e pouca gente sabe disso. Em 1896, além de ter se tornado uma das primeiras mulheres a se formar em medicina na Itália (fato já bem divulgado), foi também escolhida como representante do seu país no Congresso Internacional pelo Direito das Mulheres, sediado em Berlim. Fez discursos empolgantes sobre o direito a salários iguais entre homens e mulheres¹. Três anos depois, já reconhecida por seu trabalho com as crianças com deficiência, fez uma série de palestras em seu país em uma delas se intitulava “A nova mulher”, daí veio a citação da imagem acima². Montessori também participou do seguinte Congresso Internacional, que ocorreu em 1899 em Londres³. Para mais referências e citações de Maria Montessori feminista leia Maria Montessori: Feminista do Lar Montessori.

Leia mais »

Minhas compras no #bookfriday

Post relâmpago para compartilhar com vocês minhas compras no #bookfriday da Amazon Brasil que tá rolando HOJE! Comprei 7 livros por R$150 reais 🙂 Se quiserem aproveitar a promoção clica aí nos links. Depois de receber os livros escreverei melhor sobre eles.

518p+jpFIWL._SX426_BO1,204,203,200_Por que fazemos cocô? Esse livro foi indicado nos comentários aqui do blog. É um livro de desfralde sem elementos fantasiosos. Adorei a dica. Comprei.

De R$39,90 por R$28,90

 

 

51H3YyKu1pL._SX462_BO1,204,203,200_Disfarces dos animais. Vi esse livro lá na escola das crianças e me apaixonei. É um livro com fotos reais de animais fazendo mimetismo. Pouco texto.

De R$36,90 por R$25,36

 

613XXqV0kcL._SX414_BO1,204,203,200_Tudo Começa na Semente. Como os Alimentos Crescem. Vi esse livro no instagram do A Horta e o Jardim e também adorei. Ilustrações realistas para falar do ciclo da vida das plantas.

De R$59,90 por R$22,99

 

61HfrnZpKnL._SX388_BO1,204,203,200_

As plantas. É um livro de adesivos sobre plantas que achei aqui zapeando mesmo no site da Amazon. Curti e o preço tá muito bom.

De R$29,90 por R$11,99

 

 

511QuYZxA6L._SY498_BO1,204,203,200_Coisa de Menina. Eu confesso, uso todas as ferramentas disponíveis para mostrar pra minha filha que ela não precisa estar na caixinha da menina princesa. Tento não forçar a barra demais, mas aproveito para criar oportunidades de conversa.

De R$37,90 por R$24,60

61IryVnfQTL._SY407_BO1,204,203,200_Houses and Homes. Indicação do blog How We Montessori eu sempre anoto e deixo lá no carrinho, quando surge promoção vou comprando aos poucos. Adoro livro que traga diversidade cultural.

De R$31,96 por R$18,81

 

51H2aZ0cDwL._SX335_BO1,204,203,200_

Lab Girl. Esse tô comprando de aniversário pra minha mãe, mas quis compartilhar.

De R$34,90 por R$18,40

 

 

 

 

“Ajude-me a fazer sozinho”

motricite_libre_marche3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É aprender a observar, a não intervir e a adaptar o meio ambiente e torna-lo.

(Primeiro quadro) – Sem o adulto não me sinto capaz.

É também permitir que a criança confie em suas habilidades e em seu próprio julgamento.

(Segundo quadro) – Eu me sinto capaz de fazer isso.”

Retomando os textos sobre a série de ilustrações da  Bougribouillons sobre motricidade livre. As outras ilustrações você encontra nesses links ( Tira o bebê da cadeira, Tudo tem seu tempo e Fora das grades).Leia mais »

Fora das grades

motricite_libre_espace3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É favorecer o despertar da criança sem trancá-lo.

É favorecer um espaço em solo adaptado.”

Continuando nossa série com as lindas ilustrações de Bougribouillons. As anteriores você acha aqui e aqui.

Claro que o ideal é transformar toda a casa em um lugar seguro para a criança circular livremente, afinal a casa é dela também. Mas eu sei que isso não é só difícil, é quase impossível. Aqui em casa há 3 ambientes que as crianças ainda não podem circular livremente: a área de serviço (mesmo estando os produtos de limpeza em caixas), a dispensa (ainda é muito tentador ver tantos grão e potes e não mexer sem estragar) e embaixo da mesa do computador (por conta de um fio longo que ainda não resolvemos).Leia mais »

Tudo tem seu tempo.

motricite_libre_assis3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É não colocar a criança numa posição que ela não conquistou sozinha e da qual ela não pode sair sozinha.

É permitir que ela desenvolva sua autonomia assim como sua autoconfiança.”

Essa é a segunda ilustração de uma série de cinco que estou compartilhando no blog. Os desenhos são de Bougribouillons.

“A autoconfiança é um sentimento interno de poder confiar nos próprios recursos, que vem da experiência do trabalho ativo no ambiente usando o movimento livre.É a sensação de poder pessoal na solução de problemas, e esse sentimento de poder permanece em uma pessoa para sempre.No futuro, o objetivo irá mudar (de alcançar um objeto interessante, como uma bola colorida, para fazer a lição de casa, e assim por diante), mas a situação psicológica permanece a mesma;algo lhe interessa, você precisa fazer alguma coisa e está confiante de que tem a capacidade de fazê-lo. Movimentos ativos nos primeiros meses de vida proporcionam a experiência global mente-corpo da qual a autoconfiança é derivada, e com este instrumento muito valioso, é possível enfrentar os desafios da vida.”
Dr.Silvana Montanaro, formadora de professores Montessori 0-3

Motricidade livre é uma expressão cunhada pela comunidade Pikler, que tem muitos dos seus fundamentos em consonância com o método Montessori, mas existem também algumas divergências. No geral, tanto Montessori como Pikler  são contra dispositivos de confinamento para bebês (cadeira de balanço, cercadinho, etc), bem como dispositivos que pretendem “acelerar” o desenvolvimento natural da criança e ao mesmo tempo a deixam confinadas (cadeira bumbo, andadores, etc).

Um dos pontos de discordância está no “tempo de bruços” (livre tradução minha para o Tummy Time). Autoras renomadas do método Montessori (como Susan Stephenson e Paula Lillard) orientam claramente a posicionar o bebê de bruços gradativamente desde os seus primeiros dias de vida. Já a abordagem Pikler acredita que os bebês devem entrar e sair sozinhos dessa posição.

Existem bons argumentos dos dois lados, mas eu fiquei com as orientações do método Montessori, que é também a orientação da maioria dos pediatras americanos. Para mais detalhes sobre como praticar o tempo de bruços com o bebê, por favor leia este meu post. Nele também você vai encontrar os argumentos que me fizeram ir por essa linha.

Para a postura sentada é diferente, mesmo o método Montessori recomenda que a criança raramente seja posicionada assim, ela deve poder chegar nessa posição sozinha. E quando posicionada deve ser por períodos muito curtos.

Posicionar o bebê numa postura que ele ainda não está pronto para atingir pode lhe causar lesões físicas, como também minar sua auto-confiança. A criança tem um guia interno que sabe exatamente quando é o melhor momento para aprender a engatinhar, sentar, levantar e andar. Ela precisa respeitar esse guia interno e acreditar nos seus próprios esforços.

Tira o bebê da cadeira!

motricite_libre_sol-v2-3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É permitir que a criança descubra seu corpo, explore suas habilidades.É permitir que a criança mova para o próximo estágio de suas habilidades motoras, como ele deseja, quando quiser.”

Hoje compartilho aqui uma das ilustrações da série sobre Motricidade Livre do blog Bougribouillons. São 5 desenhos no total, os próximos virão nos dias que seguem.

A liberdade de movimento é a coisa mais preciosa para um bebê, desde o seu nascimento. Montessori já dizia que o desenvolvimento natural da criança se resume a uma série de conquistas de independência e a de movimento é a primeira delas:

“Como ele consegue essa independência?Ele faz isso por meio de uma atividade contínua.Como ele se torna livre?Por meio de esforço constante.… Sabemos que o desenvolvimento resulta da atividade.O ambiente deve ser rico em motivos que interessem à atividade e convide a criança a conduzir suas próprias experiências. ”(Maria Montessori: A Mente Absorvente)

Eu já estava com saudades de falar de bebês pequenos por aqui. Meu caçula completou 2 anos há dois meses e já é um bebê enorme.

Vamos para a Orquestra

Hoje Salvador completa 469 anos. Parabéns #salvadômeuamô 🎂

A OSBA @orquestrasinfonicadabahia fará um concerto comemorativo na nossa Concha Acústica.

Vamos levar as crianças e tô bem animada. Eles tem um livro interativo que fala da orquestra e amam.

A interação com o mundo, com a natureza, são mais importantes que qualquer livro, qualquer atividade, qualquer material.

Hoje a pirralhada vai dormir um pouco mais tarde sim..