17 Livros infantis – 4 a 6 anos

Esse é o quarto post em que indico livros que temos em casa e que gostamos. No texto abaixo eu falo porque a gente gosta desses livros aqui em casa e o que conversamos com cada um.

Você encontra os outros posts aqui:

17 Livros Infantis para crianças menores de 6 anos

12 livros para ler com seu bebê

15 livros para crianças a partir de 2 anos

Meus critérios de seleção para comprar livros são:

  • Não ter elementos fantasiosos (fadas, animais falantes,…). A razão está aqui;
  • Ser bonito, convidativo à leitura;
  • Possuir temas variados para puxar conversas também variadas.

Começarei colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo um pouco de cada um:

  1. A cor de Coraline, Alexandre, Rampazo, Rocco, R$34,57
  2. Hoje, Eva Montanari, Jujuba, R$35,11
  3. O caminhão, Hiratsuka Lúcia, R432,34
  4. Marco queria dormir, Gabriela Keselman, R$17,45
  5. O passarinho da vovó, Benji Davies, Salamandra, R$44,11
  6. A ilha do vovô, Benji Davies, Salamandra, R$38,40
  7. O passeio, Pablo Lugones, Gato Leitor, R$46,00
  8. Aqui estamos nós, Oliver Jeffers, Moderna, R$40,90
  9. Tudo vai dar certo, Cedella Marley, Martins Fontes, R$37,40
  10. O livro dos porquês – Clima, Marie-Eve Tremblay, Usborne, R$45,02
  11. Bicho Brasil, Araquém Alcântara, Tordesilhas, R$30,72
  12. Mundo Animal, Geneviève Warnau, Girassol, R$19,90
  13. Como? Onde? Porque?, Jim Bruce, Girassol, R$26,46
  14. Houses and homes, Ann Morris, HarperCollins , R$47,72
  15. Dicionario Larousse Infantil, Larrousse, R$40,41
  16. Quero fazer origami, Florencia Errecarte, Catapulta, R$79,90
  17. A banda das meninas, Emília Nunñes, Tibi, R$44,90
A cor de Coraline

O livro traz o questionamento sobre as cores da pele e os lápis de cor. O amigo de Coraline lhe pede o lápis cor-de-pele e ela cria um mundo imaginário onde as pessoas tenham peles das mais variadas cores. Acho as ilustrações lindas e estimula uma conversa sobre identidade racial.

Hoje

Nesse livro a autora Eva Montanari mostra como um dia ruim pode mudar “basta termos tempo para olhar com cuidado”. É ótimo para conversar sobre emoções, sobre aceitá-las (até as ruins) para quem sabe então transformá-las. As ilustrações são lindas, pouco texto. É é uma exceção na minha lista, os personagens são reais, mas as ilustrações das emoções são fantasiosas.

O caminhão

Adoro esse livro. Fala da espera de 3 irmãs para a chegada do caminhão. O tema principal é a espera e acho muito legal que a autora nos faz também esperar para saber o que traz o caminhão. Mas o livro também traz indiretamente muitas outras questões cotidianas como as roupas que são passadas entre irmão, a criança que ajuda nas tarefas domésticas…

Marco queria dormir

O nosso caçula sempre foi resistente pra dormir e por isso comprei o livro. A história é de um menino que chama sua mãe várias vezes na hora de dormir porque tem medo. Mas será que é medo mesmo? Quando sua mãe diz finalmente que ficará com ele até que explique o está acontecendo o sono chega. Gosto das ilustrações e das soluções divertidas da mãe de Marco. Estimula uma boa conversa sobre a hora de dormir.

O passarinho da vovó

Esse livro é lindíssimo, capa dura, desenhos muito bonitos. Viramos fã do autor (Benji Davies). Fala de um menino, Noé, que vai passar as férias com avó. No início a diferença geracional parece impedir eles de se abrirem um pro outro, mas o menino encontra um passarinho ferido e isso muda tudo na relação deles. A partir do cuidado do animal eles encontram afinidades. Lindo. Adoramos.

A ilha do vovô

A ilha do vovô também é de Benji Davies. Igualmente bonito, capa dura, páginas de qualidade. Também trata da relação entre gerações, mas aqui Syd já tem muita proximidade com o avó e precisará aprender a lidar com a ausência dele. O livro fala da morte de uma forma mais metafórica. Comprei por acaso, mas não acho que devemos esperar o falecimento de um ente querido para tratar do tema com as crianças. As vezes, a mais velha (5 anos) fica triste com o livro e pede pra não lermos. Respeitamos.

O passeio

Outro livro que fala do envelhecimento e da morte. Também comprei por acaso, mas é um livro com ilustrações belíssimas. O livro começa com a menina aprendendo a andar de bicicleta com o pai e termina com ela ensinando seu filho a andar de bicicleta. No meio, seu pai não está mais lá. Ela para, se entristece, mas segue adiante.

Aqui estamos nós

Quando o filho de Oliver Jeffers nasceu ele fez esse lindo livro falando pra ele do nosso planeta e seus habitantes. Capa dura e ilustrações belissímas. Fala um pouco de geografia física (de forma bem simplificada) e fala também de diversidade. Aqui adoramos ficar muuuito tempo olhando as páginas duplas que ele ilustra a diversidade humana e a animal. Fazemos brincadeiras de procura-acha e ficamos analisando aquelas que nos chamam mais a atenção.

Tudo vai dar certo

Tudo vai dar certo é um livro que Cedella Marley adaptou a partir da música “Three Little Birds” de seu pai, Bob Marly. Tem capa dura e boas ilustrações que mostram o cotidiano do menino da capa. Acho que a música poderia ter sido mais adaptada (ela está literal) para tornar a história mais cativante. Mas ainda assim tem duas coisas que gosto bastante: 1. poder falar quem foi Bob Marley e é importante ressaltar figuras negras de relevância na cultura internacional. 2. Ter o personagem principal negro em livros que não tratem da temática racial exclusivamente. Esse também é o caso de Marco ( livro 4 dessa lista), Obax, outro livro que já recomendei em outra lista e A Banda das meninas (livro 17 dessa lista).

O livro dos porquês

Meus filhos amam esse livro que ganhamos de uma amiga. Teve uma época que não se lia outro livro aqui em casa. Tem capa dura e boas ilustrações que explicam os fenômenos climáticos e fala de algumas curiosidades. Depois desse livro eles adoram olhar relâmpagos no céu e dizer de que tipo é. Já memorizaram partes completas.

Bicho Brasil

Esse é um dos livros favoritos do caçula que ama animais. Diria que atualmente é o meu favorito também. Tem mais de 100 fotos espetaculares da fauna brasileira pelo famoso Araquém Alcântara. Um cara bem corajoso, como sempre frisamos por aqui, que tirou fotos de onças impressionantes, suçuaranas, jacarés e muitos outros de vários biomas brasileiros. Tem bichos fofinhos também 🙂

Mundo animal

Livro com fotos e fatos dos animais. Um livro bem mais simples e menos impressionante do que o de cima, mas gosto. É mais geralzão, porém divide os animais por habitats e acho isso uma noção importante ao apresentar desde sempre os animais para as crianças. Afinal crianças até seis anos têm a mente absorvente. Gosto também que o livro tem uma variedade grande de animais, não apenas mamíferos que são os mais comuns nesse tipo de livro.

Como? Onde? Por quê?

Esse livro comprei junto com o outro na intenção de dar um dos dois de presente, mas meu pequeno de 4 anos não deixou. Ele realmente gosta muito de bichos. O livro é similar com o anterior, mas tem mais curiosidades, faz comparações e as crianças gostam disso. Percebo os meus bem animados com as novas descobertas.

Houses and homes

Adoro esse livro e as crianças também gostam bastante. Livro de fotos com vários tipos de casa em diferentes culturas, diferentes materiais, com diferentes propósitos climáticos. É muito legal apresentar essa diversidade para as crianças desde muito cedo. O está em título em inglês, mas é possível comprar na Amazon Brasil. Cada página tem 1 frase simples, o foco está nas imagens.

Dicionário infantil

Minhas crianças ainda não sabem ler, mas venho aos poucos acostumando eles ao contato com o dicionário. Esse é legal porque a explicação é voltada para o público infantil e tem algumas ilustrações simples. Tento lembrar de irmos consultar a cada palavra nova que me perguntam o que significa. As vezes que fui, gostaram.

Quero fazer origami

Nesse período de quarentena estamos gostando muito de fazer origamis. A vovó nos deu esse livro de presente que é bem carinho porque já vem com 80 papeis especiais para origami. Ainda estamos explorando mais o livro, mas ele tem uma qualidade excelente!

Aqui a gente é fã da Emília Nuñez, que não é baiana mas residente de Salvador há bastante tempo. Mas não é por isso que a gente é fã dela, é porque os livros dela são ótimos e ela tem um compromisso genuíno com a literatura infantil com ações diversificadas nessa área. Uma delas é essa coleção maravilhosa sobre empoderamento feminino entre as crianças. A história fala do preconceito que Leiloca sofreu quando quis tocar bateria numa banda formada por meninos.

Querid@s leitor@s, essa postagem possui links afiliados. Isso significa que caso você se interesse por algum dos livros que eu indiquei e comprar através dos meus links eu ganho uma comissão. Todos eles são livros que eu comprei para os meus filhos e gostei. Obrigada!

17 Livros Infantis para crianças menores de 6 anos

17 livros.png

Esse é o meu terceiro post com indicações de livros para crianças com menos de 6 anos. Todos seguem a orientação de Maria Montessori de serem baseados na realidade e não na fantasia. Os outros dois você encontra aqui e aqui. O segundo link é específico para bebês menores de 2 anos.

Eu só indico livros que eu tenho em casa e gosto de ler para meus filhos. Meus critérios para seleção de livros são:

  • Não ter elementos fantasiosos (fadas, animais falantes, casa de doce, …). A razão está aqui;
  • São bonitos, o que convida à leitura;
  • Possuem temas variados para servir de pretexto em nossas conversas.

Começo colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo porque indico cada um:Leia mais »

12 livros para ler com seu bebê

12 livros para ler com seu filho

Todos os 12 livros que recomendo aqui leio com meus filhos desde que eles tinham 3 meses até  hoje (a mais velha tem 2,5 anos). Todos atendem aos meus critérios básicos de livro para bebê:

  • Possuem páginas grossas para resistir ao manuseio do bebê e para facilitar que eles passem as páginas sozinhos;
  • Não tem elementos fantasiosos (fadas, animais falantes, casa de doce, …). A razão está aqui;
  • São bonitos, o que convida à leitura;
  • Possuem temas variados para servir de pretexto em nossas conversas.

Começarei colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo o que acho de cada um:Leia mais »

Visita à Biblioteca e indicação de livros

Recentemente fomos pela primeira vez na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato em Salvador. Foi uma experiência muito legal. Como nesse mês de abril é comemorado o dia internacional do livro infantil, me senti a impelida a compartilhar essa experiência e indicações de livros.

29573097_1685930784809220_7601767709111370272_n.png

Eu ainda não tinha pensado em levar as minhas crianças de 2 e 3,5 anos na biblioteca, até que vi a Alice, do Montessoriando, com essa idade devolvendo seus livros toda prosa (vídeo). Nesse momento também me dei conta como meus filhos conheciam bem uma livraria, mas não uma biblioteca. E ainda que as livrarias tenham agora cadeiras e mesas para folhear o livro, a biblioteca ainda é bem mais legal.Leia mais »

15 livros para crianças a partir de 2 anos

img_5440

Nessa postagem indico 15 livros para crianças de 2 a 6 anos.  São livros que tenho e gosto muito de ler com meus filhos. Meu critério de seleção são:

  • Não ter elementos fantasiosos (fadas, animais falantes, casa de doce, …). A razão está aqui;
  • São bonitos, o que convida à leitura;
  • Possuem temas variados para servir de pretexto em nossas conversas.

Começarei colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo o que acho de cada um:Leia mais »

Fantasia ou real?

IMG_9959

A criança com menos de 6 anos ainda está sendo apresentada ao mundo. Nós adultos, dispostos a ajudar, falamos: a maçã é vermelha, o cachorro faz “au-au”, tenha cuidado ao andar na grama pode ter coco de cachorro. Mas no livro o cachorro não faz “au-au”, nem coco na grama, ele fala, e faz xixi no penico. Que confusão!

Pituco, com 2 anos, ainda não viu todos os bichos que já conhece dos livros. Para ele a fada é tão real quanto o leão. A gente acha a fantasia interessante e divertida e quer dividir isso com eles, mas não percebemos que estamos impondo a nossa fantasia numa criança que ainda não tem recurso para criar a sua própria. A gente fantasia com base no real, extrapolando-o, desafiando o real, mas e a criança que ainda está aprendendo o que é real?

Talvez você já tenha passado pela situação na qual fez uma piadinha com algo fantasioso para uma criança pequena e ela não tenha achado graça. Isso acontece porque ela ainda não entende que essa fantasia é um ato de rebeldia com a realidade Para alguém que ainda aprendendo sobre tudo, uma formiga poder carregar 100x seu próprio peso é tão engraçado quanto a formiga usar óculos de sol. Ela não vê graça, ela absorve a informação.

tenha-livrosHá quem pergunte se esta “restrição” irá limitar a criatividade da criança. Para isso, Montessori já tinha a resposta: Experiências de crianças pequenas com o mundo real tornam-se a base para a sua imaginação e pensamento criativo nos anos da escola primária, quando já não possuem uma mente absorvente, mas uma mente racional.

Para Montessori, existe uma diferença entre fantasia e imaginação. A criança pequena não precisa ouvir contos de fadas para ser capaz de imaginar que pedaços de madeira são trilhos de um trem.

 

“O faz-de-conta saudável, assim como o desenho de observação, a escrita e diversas outras formas de arte são, para Montessori, imaginação. A crença imposta em personagens variadas, o faz-de-conta ilusório e até o medo de seres mágicos são formas de fantasia. A primeira se desenvolve naturalmente quando a criança é deixada em liberdade, a segunda surge a partir da vontade do adulto.” – Lar Montessori

O método Montessori é ainda mais criterioso. Há uma atividade característica do método que trata de apresentar miniatura de animais e depois relacionar a miniatura com a imagem correspondente. Nessa atividade é  recomendável que o tamanho das miniaturas sejam proporcionais entre si. O meu exemplo, da foto abaixo, não é dos melhores porque a vida marinha tem uma enorme variedade de tamanhos. De qualquer forma, eu não deveria colocar aquele caranguejo junto ao polvo, arraia e lula. O carangueijo é normalmente menor que a lula, mas na miniatura da foto estão do mesmo tamanho, o que causa uma desinformação para a criança. Não se convenceu?! Mas… o que você sentiria se alguém lhe apresentasse algo equivocado? Alguém a quem você nem  pediu que lhe ensinasse essa determinada coisa.

img_1251

É bem difícil encontrar produtos que apresentem apenas o real, os livros infantis estão cheios de animais antropomorfos. Vou compartilhando com vocês o que tenho achado de qualidade por aí e adoraria que vocês também compartilhassem comigo.

Links de indicação dos livros: para bebês, para crianças a partir de 2 anos.

Há quem pergunte se esta “restrição” irá limitar a criatividade da criança. Para isso, Montessori já tinha a resposta:

Experiências de crianças pequenas com o mundo real tornam-se a base para a sua imaginação e pensamento criativo nos anos da escola primária, quando já não possuem uma mente absorvente, mas uma mente racional.

Citação a Montessori pelo livro Montessori from the start

Para aprofundar a leitura nesse assunto sugiro ler os seguintes textos do Lar Montessori:

Natal sem Noel: uma perspectiva a favor da imaginação.

Imaginação e fantasia: datas comemorativas.