Globo terrestre em papel machê

Globo terrestre em papel machê

Globo terrestre em papel machê
Globo terrestre em papel machê

Essa atividade foi proposta na nossa conta do Instagram pelo motivo da Semana do Brincar 2020.

Que tal fazer um globo terrestre de papel machê? Dá pra fazer qualquer objeto, segue sempre o interesse da criança.

Antes de explicar a técnica em si, faço um esclarecimento: pra essa atividade você não precisa de muitos materiais, mas precisa de bastante paciência. Acho que seria mais certo chamar essa atividade de projeto. A beleza dos projetos é que ajudam a criança a praticar certas habilidades cognitivas como ordenar as ideias num espaço de tempo maior. Agora vamos ao Globo:

1o. PASSO: Escolher com a criança o objeto a ser feito;


2o PASSO: Achar o seu objeto de base ou molde. Aqui usamos uma bola que ganhamos de lembrança de aniversário, mas poderia ser uma bola de soprar ou um bolinho de sacola plástica.

3o PASSO: Escolher a técnica de papel machê. Usamos duas combinadas, mas você pode fazer só uma:
3.1: Com JORNAL é simples e seca mais rápido, mas a jornal fica aparecendo mesmo depois de pintar com guache. Rasgue o jornal em tiras, mergulhe numa solução de cola e água ( 2 partes de cola branca e 1 de água). Retire o excesso de líquido com os dedos e cubra todo seu molde com as tiras;
3.2: Com PAPEL HIGIÊNICO: Deixe um rolo papel higiênico num balde com água e 1 colher de vinagre durante 3 horas. Triture o papel higiênico com as mãos o máximo possível. Olha movimento fino para as crianças. Um momento super propício pra CONCENTRAÇÃO, fique ligada e evite conversar e interromper. Escoe a água com a peneira e depois jogue o papel num pano para torcer e tirar todo o excesso de água. Devolva pra bacia e triture novamente até virar migalha. Bota a criançada pra fortalecer os músculos das mãos! Faça um mingau com 2 colheres de sopa de farinha de trigo e 2 copos d´água. Depois de frio acrescente 2 colheres de cola. Mistura tudo e coloca essa massinha sobre o molde;


4o. PASSO: Esperar secar bem. A depender a umidade da sua cidade pode levar mais de um dia;


5o. PASSO: Pintar se quiser. Para o globo terrestre pintamos tudo de azul e depois colamos os continentes pintamos com lápis e recortados.


Em Montessori o primeiro globo terrestre que apresentamos a crianças a partir de 3 anos é desse tipo, sem fronteiras dos países. Uma forma de explicar é falar algo como: “Esse é o nosso planeta, onde vivemos. Se pudéssemos pegar um foguete e subir no espaço viríamos algo parecido com isso”. Depois acrescenta que ele tem partes de água e partes de terra. Pronto, deixa a criança explorar.

Acompanhem os Igs que estão participando da Semana Mundial do Brincar para se inspirar e brincar com a gente!
@laranjaaoquadrado
@montessoriaquiemcasa
@atividadesdamanu
@pliciatividadesinfantis
@dengodemamae
@atividadesdapietra
@montessoriandoemcasa

Vem com a gente! Brincar importa!

#semanamundialdobrincar #smb2020 #brinqueemcasa

17 Livros infantis – 4 a 6 anos

Esse é o quarto post em que indico livros que temos em casa e que gostamos. No texto abaixo eu falo porque a gente gosta desses livros aqui em casa e o que conversamos com cada um.

Você encontra os outros posts aqui:

17 Livros Infantis para crianças menores de 6 anos

12 livros para ler com seu bebê

15 livros para crianças a partir de 2 anos

Meus critérios de seleção para comprar livros são:

  • Não ter elementos fantasiosos (fadas, animais falantes,…). A razão está aqui;
  • Ser bonito, convidativo à leitura;
  • Possuir temas variados para puxar conversas também variadas.

Começarei colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo um pouco de cada um:

  1. A cor de Coraline, Alexandre, Rampazo, Rocco, R$34,57
  2. Hoje, Eva Montanari, Jujuba, R$35,11
  3. O caminhão, Hiratsuka Lúcia, R432,34
  4. Marco queria dormir, Gabriela Keselman, R$17,45
  5. O passarinho da vovó, Benji Davies, Salamandra, R$44,11
  6. A ilha do vovô, Benji Davies, Salamandra, R$38,40
  7. O passeio, Pablo Lugones, Gato Leitor, R$46,00
  8. Aqui estamos nós, Oliver Jeffers, Moderna, R$40,90
  9. Tudo vai dar certo, Cedella Marley, Martins Fontes, R$37,40
  10. O livro dos porquês – Clima, Marie-Eve Tremblay, Usborne, R$45,02
  11. Bicho Brasil, Araquém Alcântara, Tordesilhas, R$30,72
  12. Mundo Animal, Geneviève Warnau, Girassol, R$19,90
  13. Como? Onde? Porque?, Jim Bruce, Girassol, R$26,46
  14. Houses and homes, Ann Morris, HarperCollins , R$47,72
  15. Dicionario Larousse Infantil, Larrousse, R$40,41
  16. Quero fazer origami, Florencia Errecarte, Catapulta, R$79,90
  17. A banda das meninas, Emília Nunñes, Tibi, R$44,90
A cor de Coraline

O livro traz o questionamento sobre as cores da pele e os lápis de cor. O amigo de Coraline lhe pede o lápis cor-de-pele e ela cria um mundo imaginário onde as pessoas tenham peles das mais variadas cores. Acho as ilustrações lindas e estimula uma conversa sobre identidade racial.

Hoje

Nesse livro a autora Eva Montanari mostra como um dia ruim pode mudar “basta termos tempo para olhar com cuidado”. É ótimo para conversar sobre emoções, sobre aceitá-las (até as ruins) para quem sabe então transformá-las. As ilustrações são lindas, pouco texto. É é uma exceção na minha lista, os personagens são reais, mas as ilustrações das emoções são fantasiosas.

O caminhão

Adoro esse livro. Fala da espera de 3 irmãs para a chegada do caminhão. O tema principal é a espera e acho muito legal que a autora nos faz também esperar para saber o que traz o caminhão. Mas o livro também traz indiretamente muitas outras questões cotidianas como as roupas que são passadas entre irmão, a criança que ajuda nas tarefas domésticas…

Marco queria dormir

O nosso caçula sempre foi resistente pra dormir e por isso comprei o livro. A história é de um menino que chama sua mãe várias vezes na hora de dormir porque tem medo. Mas será que é medo mesmo? Quando sua mãe diz finalmente que ficará com ele até que explique o está acontecendo o sono chega. Gosto das ilustrações e das soluções divertidas da mãe de Marco. Estimula uma boa conversa sobre a hora de dormir.

O passarinho da vovó

Esse livro é lindíssimo, capa dura, desenhos muito bonitos. Viramos fã do autor (Benji Davies). Fala de um menino, Noé, que vai passar as férias com avó. No início a diferença geracional parece impedir eles de se abrirem um pro outro, mas o menino encontra um passarinho ferido e isso muda tudo na relação deles. A partir do cuidado do animal eles encontram afinidades. Lindo. Adoramos.

A ilha do vovô

A ilha do vovô também é de Benji Davies. Igualmente bonito, capa dura, páginas de qualidade. Também trata da relação entre gerações, mas aqui Syd já tem muita proximidade com o avó e precisará aprender a lidar com a ausência dele. O livro fala da morte de uma forma mais metafórica. Comprei por acaso, mas não acho que devemos esperar o falecimento de um ente querido para tratar do tema com as crianças. As vezes, a mais velha (5 anos) fica triste com o livro e pede pra não lermos. Respeitamos.

O passeio

Outro livro que fala do envelhecimento e da morte. Também comprei por acaso, mas é um livro com ilustrações belíssimas. O livro começa com a menina aprendendo a andar de bicicleta com o pai e termina com ela ensinando seu filho a andar de bicicleta. No meio, seu pai não está mais lá. Ela para, se entristece, mas segue adiante.

Aqui estamos nós

Quando o filho de Oliver Jeffers nasceu ele fez esse lindo livro falando pra ele do nosso planeta e seus habitantes. Capa dura e ilustrações belissímas. Fala um pouco de geografia física (de forma bem simplificada) e fala também de diversidade. Aqui adoramos ficar muuuito tempo olhando as páginas duplas que ele ilustra a diversidade humana e a animal. Fazemos brincadeiras de procura-acha e ficamos analisando aquelas que nos chamam mais a atenção.

Tudo vai dar certo

Tudo vai dar certo é um livro que Cedella Marley adaptou a partir da música “Three Little Birds” de seu pai, Bob Marly. Tem capa dura e boas ilustrações que mostram o cotidiano do menino da capa. Acho que a música poderia ter sido mais adaptada (ela está literal) para tornar a história mais cativante. Mas ainda assim tem duas coisas que gosto bastante: 1. poder falar quem foi Bob Marley e é importante ressaltar figuras negras de relevância na cultura internacional. 2. Ter o personagem principal negro em livros que não tratem da temática racial exclusivamente. Esse também é o caso de Marco ( livro 4 dessa lista), Obax, outro livro que já recomendei em outra lista e A Banda das meninas (livro 17 dessa lista).

O livro dos porquês

Meus filhos amam esse livro que ganhamos de uma amiga. Teve uma época que não se lia outro livro aqui em casa. Tem capa dura e boas ilustrações que explicam os fenômenos climáticos e fala de algumas curiosidades. Depois desse livro eles adoram olhar relâmpagos no céu e dizer de que tipo é. Já memorizaram partes completas.

Bicho Brasil

Esse é um dos livros favoritos do caçula que ama animais. Diria que atualmente é o meu favorito também. Tem mais de 100 fotos espetaculares da fauna brasileira pelo famoso Araquém Alcântara. Um cara bem corajoso, como sempre frisamos por aqui, que tirou fotos de onças impressionantes, suçuaranas, jacarés e muitos outros de vários biomas brasileiros. Tem bichos fofinhos também 🙂

Mundo animal

Livro com fotos e fatos dos animais. Um livro bem mais simples e menos impressionante do que o de cima, mas gosto. É mais geralzão, porém divide os animais por habitats e acho isso uma noção importante ao apresentar desde sempre os animais para as crianças. Afinal crianças até seis anos têm a mente absorvente. Gosto também que o livro tem uma variedade grande de animais, não apenas mamíferos que são os mais comuns nesse tipo de livro.

Como? Onde? Por quê?

Esse livro comprei junto com o outro na intenção de dar um dos dois de presente, mas meu pequeno de 4 anos não deixou. Ele realmente gosta muito de bichos. O livro é similar com o anterior, mas tem mais curiosidades, faz comparações e as crianças gostam disso. Percebo os meus bem animados com as novas descobertas.

Houses and homes

Adoro esse livro e as crianças também gostam bastante. Livro de fotos com vários tipos de casa em diferentes culturas, diferentes materiais, com diferentes propósitos climáticos. É muito legal apresentar essa diversidade para as crianças desde muito cedo. O está em título em inglês, mas é possível comprar na Amazon Brasil. Cada página tem 1 frase simples, o foco está nas imagens.

Dicionário infantil

Minhas crianças ainda não sabem ler, mas venho aos poucos acostumando eles ao contato com o dicionário. Esse é legal porque a explicação é voltada para o público infantil e tem algumas ilustrações simples. Tento lembrar de irmos consultar a cada palavra nova que me perguntam o que significa. As vezes que fui, gostaram.

Quero fazer origami

Nesse período de quarentena estamos gostando muito de fazer origamis. A vovó nos deu esse livro de presente que é bem carinho porque já vem com 80 papeis especiais para origami. Ainda estamos explorando mais o livro, mas ele tem uma qualidade excelente!

Aqui a gente é fã da Emília Nuñez, que não é baiana mas residente de Salvador há bastante tempo. Mas não é por isso que a gente é fã dela, é porque os livros dela são ótimos e ela tem um compromisso genuíno com a literatura infantil com ações diversificadas nessa área. Uma delas é essa coleção maravilhosa sobre empoderamento feminino entre as crianças. A história fala do preconceito que Leiloca sofreu quando quis tocar bateria numa banda formada por meninos.

Querid@s leitor@s, essa postagem possui links afiliados. Isso significa que caso você se interesse por algum dos livros que eu indiquei e comprar através dos meus links eu ganho uma comissão. Todos eles são livros que eu comprei para os meus filhos e gostei. Obrigada!

Antirracismo e crianças

Ijeoma Oulu

Ontem foi o dia da Consciência Negra e precisamos falar disso, mesmo que seja com um dia de atraso.

Há uns dois anos eu comecei a estudar mais profundamente sobre o racismo porque fui tocada por casos de racismo entre crianças de 4 e 5 anos que eu conheço. Crianças de famílias como a minha: brancos de classe média que se consideram progressistas e antirracistas.

Essas famílias, como eu, colocaram seus filhos em escolas progressistas, tinham livros com protagonistas negros, tinham bonecas negras… Obviamente essas pequenas coisas não foram suficientes para desestabilizar o racismo estrutural que envolve o cotidiano de todas as crianças.

A medida que comecei a ler mais sobre o assunto muitos conceitos do “senso comum” foram sendo desconstruídos. Um bem frequente é o de considerar o daltonismo racial das crianças brancas como algo positivo. Todas as famílias brancas que eu conheço pensam: meu filho não vê diferença, que maravilha! Só que não é bem assim, se você não começar a falar sobre raça e preconceito na perspectiva antirracista, o racismo estrutural o fará no sentido contrário. A neutralidade não existe. Sinto informar. Além disso, o daltonismo racial é só mais um privilégio branco que precisa ser entendido dessa forma. Pare para pensar: as crianças negras são confrontadas com as diferenças a todo momento desde muito cedo.

Infelizmente a quase totalidade das escolas não estão preparadas para ajudar as famílias a tratarem do assunto. Mesmo as escolas mais progressistas (com donxs brancxs) ainda abafam os casos de racismo. Não aproveitam essa oportunidade para discutir com toda a comunidade escolar. Chamam a família da criança envolvida no ato de racismo para informar o acontecido e a família sempre vai se eximir dizendo “lá em casa a gente não fala essas coisas”. Chamar uma família para apontar um ato de racismo praticado por uma criança não vai fazer cosquinhas no racismo estrutural. Talvez chamar toda a comunidade para discutir raça, racismo, privilégio, branquitude comece a mexer algo. Se é isso que queremos temos que cobrar das escolas. Nos posicionar.

DiAngeloDa nossa parte, mães e pais, precisamos refletir sobre nosso antirracismo e viver o antirracismo antes (ou ao mesmo tempo) que falamos dele com as crianças. Você gostaria que a escola do seu filho fosse mais diversa, mas você tem frequentado lugares com diversidade racial nos seus momentos de lazer? Tem buscado intencionalmente isso? Você tem lido autoras e autores negros? Tem buscado comprar produtos e serviços feitos por empresas cujxs donxs são negrxs?Tem lido sobre racismo e branquitude? Você sabe o que é o termo “fragilidade branca”?

Não quero parecer que estou no papel da pessoa que já tá com tudo resolvido apontando o dedo para os outros. Minha intenção é falar do assunto porque quanto mais a gente tira um tema do seu esconderijo mais a gente avança. Quero refletir e agir juntamente com vocês. Quero dizer que não falar disso é favorecer o racismo. Quero dizer que racismo é problema de branco.

8 de Março de 2019

Citação Maria Montesori

Hoje compartilho uma foto e uma citação de Maria Montessori pouco conhecidas. Montessori foi uma militante do feminismo e pouca gente sabe disso. Em 1896, além de ter se tornado uma das primeiras mulheres a se formar em medicina na Itália (fato já bem divulgado), foi também escolhida como representante do seu país no Congresso Internacional pelo Direito das Mulheres, sediado em Berlim. Fez discursos empolgantes sobre o direito a salários iguais entre homens e mulheres¹. Três anos depois, já reconhecida por seu trabalho com as crianças com deficiência, fez uma série de palestras em seu país em uma delas se intitulava “A nova mulher”, daí veio a citação da imagem acima². Montessori também participou do seguinte Congresso Internacional, que ocorreu em 1899 em Londres³. Para mais referências e citações de Maria Montessori feminista leia Maria Montessori: Feminista do Lar Montessori.

Leia mais »

Minhas compras no #bookfriday

Post relâmpago para compartilhar com vocês minhas compras no #bookfriday da Amazon Brasil que tá rolando HOJE! Comprei 7 livros por R$150 reais 🙂 Se quiserem aproveitar a promoção clica aí nos links. Depois de receber os livros escreverei melhor sobre eles.

518p+jpFIWL._SX426_BO1,204,203,200_Por que fazemos cocô? Esse livro foi indicado nos comentários aqui do blog. É um livro de desfralde sem elementos fantasiosos. Adorei a dica. Comprei.

De R$39,90 por R$28,90

 

 

51H3YyKu1pL._SX462_BO1,204,203,200_Disfarces dos animais. Vi esse livro lá na escola das crianças e me apaixonei. É um livro com fotos reais de animais fazendo mimetismo. Pouco texto.

De R$36,90 por R$25,36

 

613XXqV0kcL._SX414_BO1,204,203,200_Tudo Começa na Semente. Como os Alimentos Crescem. Vi esse livro no instagram do A Horta e o Jardim e também adorei. Ilustrações realistas para falar do ciclo da vida das plantas.

De R$59,90 por R$22,99

 

61HfrnZpKnL._SX388_BO1,204,203,200_

As plantas. É um livro de adesivos sobre plantas que achei aqui zapeando mesmo no site da Amazon. Curti e o preço tá muito bom.

De R$29,90 por R$11,99

 

 

511QuYZxA6L._SY498_BO1,204,203,200_Coisa de Menina. Eu confesso, uso todas as ferramentas disponíveis para mostrar pra minha filha que ela não precisa estar na caixinha da menina princesa. Tento não forçar a barra demais, mas aproveito para criar oportunidades de conversa.

De R$37,90 por R$24,60

61IryVnfQTL._SY407_BO1,204,203,200_Houses and Homes. Indicação do blog How We Montessori eu sempre anoto e deixo lá no carrinho, quando surge promoção vou comprando aos poucos. Adoro livro que traga diversidade cultural.

De R$31,96 por R$18,81

 

51H2aZ0cDwL._SX335_BO1,204,203,200_

Lab Girl. Esse tô comprando de aniversário pra minha mãe, mas quis compartilhar.

De R$34,90 por R$18,40

 

 

 

 

17 Livros Infantis para crianças menores de 6 anos

17 livros.png

Esse é o meu terceiro post com indicações de livros para crianças com menos de 6 anos. Todos seguem a orientação de Maria Montessori de serem baseados na realidade e não na fantasia. Os outros dois você encontra aqui e aqui. O segundo link é específico para bebês menores de 2 anos.

Eu só indico livros que eu tenho em casa e gosto de ler para meus filhos. Meus critérios para seleção de livros são:

  • Não ter elementos fantasiosos (fadas, animais falantes, casa de doce, …). A razão está aqui;
  • São bonitos, o que convida à leitura;
  • Possuem temas variados para servir de pretexto em nossas conversas.

Começo colocando abaixo a lista completa com título, editora e preço.  Na sequência falo porque indico cada um:Leia mais »

Curso de Introdução ao Método Montessori em Salvador

MAeC-INSTAGRAM1-IntroMontessori.png

Se você tem criança pequena, já deve ter ouvido falar do quarto de bebê sem berço. Em quatro anos, a procura na internet pela expressão “quarto montessoriano” aumentou quase 400%, indicando a moda que se tornou. O método pedagógico que vem despertando o interesse de muitas famílias brasileiras foi criado há mais de um século pela italiana Maria Montessori, e vai muito além de um colchão no chão. Apesar de antigo, o método tem ganhado notoriedade porque estudos recentes da neurociência estão confirmando algumas de suas observações como a plasticidade cerebral, a conexão entre movimento e aprendizado e a ineficácia de prêmios e castigos.

Para falar desses e outros temas para pais e professores interessados em auxiliar suas crianças no processo desafiador que é o desenvolvimento infantil, Gabriel Salomão, autor do livro Princípios de Montessori para Famílias e da página Lar Montessori, estará em Salvador para ministrar o curso de Introdução ao Método Montessori. O curso ocorrerá nos dias 22 e 23 de setembro na Escola Natureza, na Pituba. A escola adota essa metodologia e está promovendo o curso junto com este blog.

Durante as dez horas de curso, Gabriel falará sobre a importância da independência e formas de promover a autonomia em casa e na escola. Tratará da importância da ação para o equilíbrio interior, como também o poder transformador da concentração nas crianças. Para o conteúdo completo do curso basta acessar a plataforma de venda de ingressos Sympla. Temos possui valores promocionais para casais e grupos.

Datas 22 e 23 de setembro, das 08h às 13h, na Escola Natureza em Salvador.

O ministrante é o Gabriel Salomão, autor do livro Princípios de Montessori para Famílias e da página Lar Montessori. Gabriel realiza formação de professores em todo Brasil e foi convidado pela Associação Montessori Internacional para apresentar sua pesquisa no encontro anual dessa associação. Para quem acompanha o Montessori Aqui em Casa já deve ter visto muitas citações dele. Gabriel é a minha referência no Brasil para Montessori.

O curso que tem por objetivo levar os fundamentos da prática montessoriana para professores e famílias de crianças pequenas, ajudando-os a compreender melhor seus filhos e alunos e, assim, serem verdadeiros colaboradores para o desenvolvimento infantil.

Valor da Inscrição: R$135,00 (1o. lote até 22/08/18) / desconto de 10% para casal e de 20% para grupos a partir de 5 pessoas. Cupom de desconto: com a palavra montessoriaquiemcasa você ganha 20% em qualquer tipo de inscrição.

Mais informações sobre o evento aqui.

Restaurante Margarida (Av. ACM, nº 1.298, Shopping Cidade, Itaigara)

“Ajude-me a fazer sozinho”

motricite_libre_marche3.jpg

“Motricidade livre, o que é?

É aprender a observar, a não intervir e a adaptar o meio ambiente e torna-lo.

(Primeiro quadro) – Sem o adulto não me sinto capaz.

É também permitir que a criança confie em suas habilidades e em seu próprio julgamento.

(Segundo quadro) – Eu me sinto capaz de fazer isso.”

Retomando os textos sobre a série de ilustrações da  Bougribouillons sobre motricidade livre. As outras ilustrações você encontra nesses links ( Tira o bebê da cadeira, Tudo tem seu tempo e Fora das grades).Leia mais »

Estereótipos de gênero – desconstruindo com Montessori

Estereótipode gênero

O gênero é uma das principais formas de identificação na primeira infância. É também um tema que tem recebido atenção e levantado polêmicas entre os pais. Nesse texto passarei à margem das polêmicas sobre ideologias de gênero para falar de algo que parece ser consenso: diminuir os estereótipos de gênero. Os estereótipos de gênero padronizam exageradamente os comportamentos sem questionar se as individualidades estão sendo respeitadas e quais as consequências disso. Por mais de 100 anos, o método Montessori vem promovendo a diminuição desses estereótipos. Como?Leia mais »